Desenvolvimento embrionário e fecundidade do caranguejo Armases rubripes (Crustacea, Brachyura, Grapsidae) de uma região estuarina de Ubatuba - SP

Claudia Camila Faria de Oliveira, Maria Helena de Arruda Leme

Resumo


Fêmeas ovigeras do caranguejo Armases rubripes (Rathbun, 1897) foram amostradas no manguezal da Praia Dura, localizado em Ubatuba, SP (23o29’S e 45o09’W). Estas foram analisadas quanto ao período de incubação, tamanho dos ovos ao longo do desenvolvimento embrionário e fecundidade. Todas as fêmeas foram mensuradas quanto à largura da carapaça e pesadas em balança eletrônica (0,001g). O número de ovos foi quantificado somente para fêmeas incubando ovos em estágio embrionário inicial, por
meio de contagem direta sob estereomicroscópio. O tempo de incubação e as mensurações dos ovos foram analisados em fêmeas ovígeras mantidas vivas em aquários com água do mar diluída a 20 %. A cada dia, até a eclosão dos ovos, uma subamostra de 10 ovos de cada fêmea ovígera foi retirada e os ovos foram mensurados com auxílio de uma ocular micrométrica acoplada a um estereomicroscópio. Os
ovos foram classificados em seis estágios de desenvolvimento
de acordo com as características embrionárias observadas. O tempo médio de incubação dos ovos foi de 18,3 ± 3,8 dias. Durante esse período, o tamanho dos ovos aumentou significativamente (ANOVA, P < 0,05), com volumes variando de 0,010mm3, em estágio de desenvolvimento inicial a 0,025
mm3 em estágio final, o que corresponde a uma taxa média de incremento de 156%. Este incremento está relacionado com a tomada osmótica de água. O número de ovos variou de 1182 a 3110 e tende a aumentar em função do tamanho e peso das fêmeas.

Texto completo:

PDF